segunda-feira, 19 de julho de 2021

Entrevista com Gilberto Vaz - Autor de: Crônicas! Ou não...

Terráqueo desde 1963. Brasiliense desde 1980. Engenheiro desde 1986. Pai desde 1993. Servidor Público desde 1997. Palestrante e autor na área de preparação para concursos públicos desde 1998. Foi articulista e cartunista da revista Concurso em Foco. É autor do livro “O Mundo Também Fala Português” sobre a intimidade dos países de língua portuguesa.




Crônicas! Ou Não... - Um Mosaico Para se Formar com Pedrinhas de Reflexão, Cacos de Filosofia e Pitadas de Humor

Este livro reúne 27 textos, crônicas, ou não. São algumas histórias baseadas em fatos reais, alguns contos, poemas e até versões zoadas de eventos importantes da História do Brasil. Tudo isso, quase sempre, temperado com humor, seja lá o que signifique humor, e que um dos textos tenta explicar. Apesar de ser um conjunto bem heterogêneo, propositalmente heterogêneo para ser diverso, cada texto tem seu carisma, sua cor, sua forma, e traz invariavelmente algo para se pensar... ou não. Esses pedacinhos quando juntos pretendem formar uma figura mais completa, um mosaico. Apesar do pensamento do autor e das escolhas das palavras que formam o livro, cabe ao leitor completar a obra, montando seu próprio mosaico.

ENTREVISTA

Olá Gilberto. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro?
O livro é um ensaio de reflexão e filosofia, mas apresentado na forma de crônicas, contos e poesias, com muitas pitadas de humor, mas que ao final o leitor é convidado a pensar no que leu e perceber que cada texto traz muito mais que uma história, estória ou História. A ideia e mostrar que cada coisa que se lê traz muito mais que um simples texto e que cabe ao leitor completar a obra com a seu próprio entendimento e percepção do que o autor tentou escrever.

Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
A partir de um apanhado de textos escritos no decorrer dos anos, selecionei alguns que traziam uma certa leveza, humor e sensibilidade para que pudesse abordar a filosofia e a reflexão de uma forma diferente, boa de ler, sem as partes chatas.
A obra se destina à leitores acima de 16 anos que gostem de leituras leves, mas que não abram mão de conteúdo.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Na verdade, sou um escritor incidental. Sempre tive pensamento heterodoxo, mas demorei a perceber que poderia externá-lo pela escrita. Meu livro anterior, O Mundo Também Fala Português, me mostrou que talvez as pessoas gostassem de ler os meus textos.
Não pretendo uma carreira na escrita, mas ainda tenho muita coisa a dizer.
Este livro (Crônicas...) é leve, o próximo pretende ser um pouco mais contundente, mostrando o quanto o pensamento e as ideias podem ser bem maiores que as caixinhas onde tentam aprisioná-los.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
Cada vez menos leitores, ainda mais com a concorrência de mídias mais fáceis de serem consumidas. O meu receio é que o consumo de material pronto, rápido e pasteurizado, sem a necessidade de pensar, pode causar efeitos desastrosos no pensamento críticos das próximas gerações.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Participei da Antologia Singularidade das Palavras. Mas, na hora de publicar pesquisei bastante, e tenho certeza que foi a melhor escolha.

O seu livro merece ser lido? O que ele tem de especial capaz de encantar leitores?
Merece ser lido!! O que tem de especial é a abordagem de temas profundos de uma forma diferente, entremeados em meio a textos leves, sensíveis e bem humorados. É, no fundo, um livro de filosofia.
O último texto é a montagem do mosaico de ideias que é proposto na introdução, onde o autor revela alguns pensamentos comuns a vários textos que constroem uma coerência filosófica.

Obrigado pela sua participação.


Nenhum comentário:

Postar um comentário